Sugestões? Greta Thumberg quer atravessar o Atlântico sem poluir o mundo

11
foto: youtube
Anúncio:

A ativista sueca Greta Thunberg está pedindo sugestões para atravessar o Atlântico depois que a conferência climática da ONU (COP25), no Chile, foi inesperadamente descartada.

A garota de 16 anos viajou da Suécia à Califórnia em iate, trem e carro elétrico, antes que o governo do Chile anunciasse que estava cancelando o encontro por causa dos distúrbios políticos no país..

Anúncio:

A conferência da COP25 foi transferida para a Espanha. A ativista está pedindo ajuda para fazer a viagem de 14 mil km, por meio de transporte sem carbono.

“Como a COP25 foi oficialmente transferida de Santiago para Madri, precisarei de ajuda”, twittou Thunberg, que está hospedada em Los Angeles […] Acontece que viajei pela metade do mundo, na direção errada. Agora preciso encontrar uma maneira de atravessar o Atlântico em novembro… Se alguém puder me ajudar a encontrar transporte, ficaria muito agradecida.”

Thunberg se recusa a voar por causa das emissões de carbono dos aviões.

Seu pedido de assistência veio depois que ela passou um tempo com o ator de Hollywood, Leonardo DiCaprio, discutindo maneiras e meios de ajudar o mundo a lutar pelo que eles alegam ser uma “emergência climática e ecológica”, como relatou o Breitbart News. DiCraprio a chamou de “líder do nosso tempo” e revelou que eles “assumiram um compromisso de apoiar um ao outro”.

No programa de Ellen, perguntaram a Thunberg se ela algum dia se sentaria cara a cara com o presidente dos EUA, Donald Trump, para examinar seu ativismo climático.

“Eu não entendo por que faria isso”, disse Thunberg, sob aplausos da platéia do estúdio. “Acho que seria realmente uma perda de tempo”.

As reações do público ao pedido de Thunberg para intervir e fornecer seu transporte foram variadas, desde ofertas de apoio a sugestões de que ela retorne à escola para aprender sobre os benefícios das viagens aéreas.

Com informações de Breitbart.

Veja também: Greta Thunberg defende que Facebook censure seus críticos

Siga Estudos Nacionais