PSOL radicaliza e pede cassação de Eduardo Bolsonaro

23
Pablo Valadares/Câmara dos Deputados
Anúncio:

O pedido de cassação do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), pelo PSOL, ocorre em meio a radicalização da esquerda no continente, com protestos de desestabilização de governos e clima de acusações contra o presidente Jair Bolsonaro, por parte da Rede Globo. O deputado causou comoção na esquerda ao sugerir a possibilidade de um novo Ato Institucional caso a esquerda continue se radicalizando.

O PSOL vai entrar com pedido de cassação no Conselho de Ética da Câmara e também com uma denúncia contra ele no Supremo Tribunal Federal, informou a revista de esquerda Carta Capital. A reação do partido surge após a declaração do deputado, em entrevista à jornalista Leda Nagle, de que um novo AI-5 poderá ser instaurado no Brasil caso a esquerda se radicalize.

Anúncio:

“A gente em algum momento tem que encarar de frente isso daí. Vai chegar um momento em que a situação será igual no final dos anos 60 no Brasil”, disse o parlamentar referindo-se aos protestos no Chile.

Em meio a processo de evidente radicalização no Brasil e América Latina, o PSOL decide perseguir o deputado por sua sugestão que tem como condição a radicalização da esquerda no Brasil. A medida é um claro recado à sociedade brasileira, de que o processo de radicalização seguirá e que o deputado representa um obstáculo a esse processo.

O deputado federal (PSOL-RJ), Marcelo Freixo, se posicionou sobre a fala de Eduardo em suas redes sociais:

“A apologia do filho do presidente ao AI-5, que significa o fechamento do Congresso e a perseguição de opositores, é um crime contra a Constituição e as instituições democráticas”, publicou.

O medo do PSOL, manifestado pela fala do deputado Marcelo Freixo, reforça o indício de que a esquerda no Brasil já esteja radicalizada e um Ato Institucional poderia ser instituído a qualquer momento, interrompendo o processo revolucionário.

Após os sucessivos ataques de parte da imprensa contra o presidente Jair Bolsonaro e seus filhos, diversos protestos vêm se formando em frente às organizações Globo e outros órgãos de imprensa.