Ataque da Globo visa acionar milícia de esquerda e favorecer início de ações radicais no Brasil

32
Fotomontagem da Veja fortalece narrativa da extrema-esquerda: Marielle sorridente, uma vereadora "humana", ao lado do presidente do ódio, provável mandante do seu assassinato cruel.
Anúncio:

Alinhada à série de distúrbios extremistas em países da América Latina, a matéria da Globo que tentou envolver o presidente Jair Bolsonaro na investigação da morte da vereadora do PSOL, Marielle Franco, deu origem a uma intensa cobertura midiática, seguida por ataques do sistema de blogs da extrema esquerda, que repercutiram os grandes veículos dominados pela narrativa da esquerda. A extrema esquerda viu na mera menção do nome do presidente a chance de confirmar suas narrativa de ódio e justificar o avanço de uma escaldada violenta contra o governo brasileiro.

Ao colocar no Google “Bolsonaro e Marielle”, o internauta se depara com uma intensa cobertura, iniciada apenas pela indicação da Globo.

Líderes de esquerda já haviam prometido incluir o Brasil na série de ações de extremistas no continente e a reportagem da Globo tem função estratégica dentro do objetivo de tomada do poder pela esquerda, representada pelo Foro de São Paulo, na região.

Anúncio:

Em contra-ataque à defesa feita pelo Presidente em transmissão nas redes sociais, o grupo Globo justificou-se, em nota, ao evocar o “jornalismo de responsabilidade”. Vozes da extrema esquerda já vêm, desde o início da morte da vereadora, buscando associar o crime aos filhos do Presidente.

A esquerda domina processo narrativo do jornalismo

As narrativas, no jornalismo, só podem se movimentar por estereótipos, isto é, por imagens linguísticas sobre sujeitos e acontecimentos. Sem estereótipo não há narrativa. Cada estereótipo é uma peça que pode ser inserida no imaginário como episódio de um histórico maior. Esse histórico pode ser justificado por um critério de relevância, como interesse público, por exemplo. No presente caso, a implicação de Lula, citado como mandante da morte de Celso Daniel, trouxe, ao mesmo tempo, uma necessidade e uma oportunidade para a esquerda.

Necessidade: uma resposta que justificasse a defesa de Lula mesmo dentro da implicação em um assassinato. Oportunidade: lançar em Bolsonaro a mesmíssima suspeita teria o efeito de isentar Lula, distrair da suspeita e, de quebra, justificar um Impeachment por crime comum, tentativa já em andamento por outros meios, que levaria o julgamento de impedimento diretamente ao STF.

Outra condição para novos episódios de uma narrativa é a pré-condição imaginativa. Um presidente suspeito de mandante de assassinato cria, imediatamente, um precedente de verossimilhança:

Já é possível que um presidente seja mandante de assassinato. 

Isso oferece à esquerda e seus ingênuos (e canalhas) seguidores, a oportunidade de estereotipar os defensores de Bolsonaro na mesma linha dos petistas do Lula Livre, fingindo não perceber a malícia e isentando o PT, o Foro de São Paulo e Lula de todos os seus crimes ao aderir à luta da esquerda para a derrubada do primeiro governo conservador do Brasil e jogando na lata do lixo a única oportunidade de livrar o continente de um movimento ultra-radical cúmplice do morticínio de inocentes no Brasil.

Uma associação gratuita, um blefe da Globo, torna-se algo mais grave contra Bolsonaro do que a associação do Foro de São Paulo ao narcotráfico, culpado de milhões de mortes e destruição no Brasil.

A campanha pela investigação da morte da vereadora conta com grande aporte financeiro, que inclui doações de fundações internacionais como a Ford, Oak Foundation e a Open Society, nossa velha conhecida entidade do bilionário George Soros, financiador das narrativas políticas da esquerda, que se tornou padrinho também do ativista de extrema esquerda, Jean Wyllys. Soros não faz doações para obter lucro, mas para fortalecer narrativas, algo que os liberais brasileiros nem sonham a existência, muito menos a relevância política disso.

Isentosfera: um mundo de fantasia

Os chamados isentões são aqueles puritanos que, atentos à imagem de isenção e afetação de superioridade, preferem atacar as pessoas boas por seus erros enquanto isentam os maus por seus méritos. O isentão tem a deficiência de percepção de narrativas. Ele vê fatos soltos, atomísticos e independentes, sobre os quais dedica seu julgamento isento e independente. O nome disso é loucura. No jornalismo, não há fatos soltos. Um fato só é notícia porque corresponde a critérios de seleção e noticiabilidade, isto é, responde a necessidades objetivas de preenchimento de uma narrativa, seja ela a do “interesse público” ou de analogias feitas pela esquerda em seu nome, o que para o isentão é apenas imaginação. Por seu absoluto desconhecimento, o isentão classifica o próprio funcionamento do jornalismo como “teoria da conspiração”.

Por isso, o isentão é o soldado perfeito dos extremistas que sabem inserir seus planos em termos institucionais e verbalizar atrocidades por meio de leis e dispositivos, uma habilidade adquirida pela esquerda há muito tempo e aperfeiçoada ainda mais pelo jeitinho brasileiro. Mas o isentão finge desconhecer tudo isso, na esperança de ser devorado por último e ganhar um carguinho em um gabinete fisiológico qualquer ou redação de editores chapa-branca.