Com novos deputados de direita eleitos, Fernándes terá forte oposição na Argentina

5
foto: wikipedia
Anúncio:

A Câmara dos Deputados da Argentina é composta por 257 assentos, dos quais 120 foram conquistados por parlamentares alinhados a Alberto Fernández e a ex-presidente, agora vice, Cristina Kirchner. A oposição conquistou 137 assentos. Esses números demonstram que o presidente em exercício, Maurício Macri, apesar de sua derrota, não sairá do governo tão enfraquecido assim.

Para o governo de Fernández conseguir aprovar projetos com necessidade de maioria simples, precisará negociar e convencer cerca de 10 deputados opositores. Já para projetos mais complexos, em que o número de votos necessários para aprovação aumenta para dois terços, o governo precisará convencer, além de todos os deputados aliados, mais de 50 deputados da oposição.

Anúncio:

O Senado da Argentina é formado por 72 bancas, dos quais 37 foram conquistados por aliados de Fernández e Cristina. Apesar de garantir maioria na casa, o governo não terá muita facilidade, uma vez que, para empatar as votações, basta que 1 senador considerado aliado vote contrariamente ao governo.

Enquanto as pesquisas davam uma vitória folgada a Fernández e Cristina Kirchner, com mais de 20% de vantagem, o que ficou demonstrado foi uma eleição bem mais apertada. Fernández terminou com 48,10% enquanto Macri ficou com 40,38% dos votos.

Logo no primeiro dia após a confirmação da derrota de Maurício Macri (que apesar de enfrentar vários problemas na economia do país é um aliado de Donald Trump) as bolsas de valores da Argentina caíram abaixo dos 5%. O empresariado internacional vê com preocupação o retorno de um governo socialista no país. A economia deve ser o principal desafio do novo governo da Argentina, que vive uma das piores crises de sua história.