Universidade da Bahia confirma origem do óleo, mas Venezuela nega procedência

1
foto wikipedia
Anúncio:

Após declarações de autoridades brasileiras  e do próprio presidente Jair Bolsonaro sobre a origem do óleo, já presente em quase 140 pontos do litoral nordestino, autoridades venezuelanas afirmam que o óleo não provém da Venezuela.

O ministro de Petróleo venezuelano, Manuel Quevedo, disse que as acusações de algumas autoridades brasileiras têm por “objetivo de aprofundar as agressões unilaterais coercitivas contra o povo venezuelano”.

Anúncio:

Ministro Ricardo Salles sobre a nota do regime de Maduro:

“Me parece uma nota, primeiro, descabida, precipitada e inadequada. Porque ela diz que não há vazamento de campos, e a hipótese não é de vazamento de campo, e sim o vazamento de um navio que tenha transportado o óleo venezuelano. A investigação da Marinha é nesse sentido”, afirmou Salles.

Ainda nesta quinta-feira o ministro afirmou:

“A Marinha identificou todos os barcos que trafegaram pela costa brasileira e está investigando para saber qual é o possível barco [que pode ter derramado o óleo no mar]”, comentou o ministro, mencionando uma das três principais hipóteses para explicar a origem da substância: um vazamento acidental em alguma embarcação ainda não identificada; um derramamento criminoso do material por motivos desconhecidos ou a eventual limpeza do porão de um navio.

Mais um laudo indicando a origem do óleo

Universidade Federal da Bahia (Ufba) divulgou um novo laudo nesta quinta-feira, dia 10, indicando que o óleo encontrado no Nordeste é proveniente da petrolífera da Venezuela. O laudo é semelhante ao da Marinha do Brasil, que já havia indicado a origem do óleo.

O Globo especula que o óleo estava no mar há mais de setenta anos

Após os fortes indícios de que o óleo seja de origem venezuelana, agora o globo informa que uma possível causa tenha relação com um navio afundado há mais de setenta anos, a mil km de Recife. O óleo  teria permanecido em um navio alemão e coincidiria com o local dos pontos afetados.

O químico oceanógrafo Rivelino Cavalcante, da Universidade Federal do Ceará (UFC), é o responsável pela coleta de material que será enviada ao Instituto de Oceanografia de Woods Hole (WHOI), nos EUA, que vai investigar a composição do material.

Cobertura da mídia

Em contraste com outras coberturas midiáticas de catástrofes ambientais, a tragédia do vazamento que se estende por mais de 2 mil quilômetros da costa brasileira, não parece ter grande preocupação à grande mídia,  devido a procedência do óleo, advindo de um país protegido nas narrativas de esquerda.

Nas redes sociais, inúmeras pessoas têm questionado como seria a cobertura midiática da grande mídia se o vazamento fosse oriundo da Petrobrás, ligada ao governo federal. Até o momento, a ambientalista Greta Thunberg, que detém massivo apoio de grandes veículos e apoio de grandes fundações internacionais, não se manifestou sobre a tragédia ambiental.

 

Inscreva-se em nossa Newsletter e receba novidades por e-mail.

 

1
Deixe um comentário

avatar
8000
1 Tópicos de comentários
0 Respostas em tópicos
0 Seguidores
 
Comentário mais reagido
Comentário mais polêmico
1 Autores dos comentários
Almanakut Brasil Autores de comentários recentes
  Notifique-me  
Notificar de
Almanakut Brasil
Visitante
Almanakut Brasil

Venezuela critica Salles por declarações sobre derramamento de petróleo – (Renova Midia – 10/10/2019)

https://renovamidia.com.br/venezuela-critica-salles-por-declaracoes-sobre-derramamento-de-petroleo

Se fizeram compras “suspeitas” de caças suecos, só para serem usados em missões de paz e desfiles do Dia da Independência, é melhor devolvê-los e gastarem o dinheiro na Parada Gay Militar.