Sardenberg repete confusão entre globalismo com globalização e passa vergonha

5
Reprodução
Anúncio:

Em sua coluna do jornal O Globo, o colunista de economia Carlos Alberto Sardenberg chama Bolsonaro de globalista ao referir-se aos acordos comerciais internacionais firmados pelo governo brasileiro. Com isso, ecoa a confusão proposital e o fingimento de grande parte da imprensa sobre a diferença básica entre globalização e globalismo.

Sardenberg se refere aos princípios de “interesse global” manifestados, por exemplo, nos estatutos da OCDE, o que considera incoerente com o discurso antiglobalista do governo Bolsonaro.

Anúncio:

O erro é muito comum entre liberais tradicionais, que ignoram ou fingem ignorar o poder e influência de elementos culturais como valores religiosos no que poderíamos chamar de “Guerra cultural”. Para eles, isso é apenas verniz ideológico, importando mais o dinheiro e os fluxos de ativos que conseguem medir em suas máquinas calculadoras de expectativas.

Sardenberg ignora ou finge ignorar que o globalismo diz respeito à colonização ideológica e cultural, que só em algumas situações se traduz em submissão financeira internacional. Para ele, cultura é passa-tempo, lazer, coisas que dependem do gosto etc. Nem lhe ocorre, talvez, o motivo de bilionários liberais como George Soros investirem milhões para financiar os estudos de Jean Wyllys ou bancar ONGs para apresentarem estudos pró-aborto no STF.

Talvez ele não compreenda as milionárias doações da Open Society, de Soros, à ONGs de ambientalistas radicais como a ONE, para a ativista Luisa Neubauer, parceira de Greta Thunberg. Seriam “interesses globais” meramente comerciais? Ou será que passam por um objetivo maior de mudança cultural a longo prazo que poderá, no futuro, enriquecer não apenas de dinheiro mas de poder político, ideológico, legislativo totalitário aos megabilionários? Afinal, o ambientalismo serve ao controle de recursos, base da economia, mas por meio de que? De mudanças comportamentais profundas. Coisa sobre a qual o coitado do Sardenberg nem imagina.

Sardenberg é, como bom liberal da velha escola (e da nova) um dos milhares de idiotas úteis que lotam as redações na condição de “especialistas” que pouco ou nada sabem sobre as forças que direcionam o mundo, mas pensam estar revelando ao mundo a mais contundente e flagrante contradição do governo.

Ele aproveita o “toque” para dizer que o Brasil não pode ficar de fora dos “movimentos internacionais”, referindo-se obviamente às negociações e, de quebra, elogiando o governo por participar disso, mas criticando pela postura antiglobalista que ele considera uma espécie de devaneio ideológico pouco ou nada útil à competitividade da economia. É um gênio.

 

Inscreva-se em nossa Newsletter e receba novidades por e-mail.

 

5
Deixe um comentário

avatar
8000
4 Tópicos de comentários
1 Respostas em tópicos
0 Seguidores
 
Comentário mais reagido
Comentário mais polêmico
5 Autores dos comentários
MíriamCarlaBrunoGabrielAlan Autores de comentários recentes
  Notifique-me  
Notificar de
Alan
Visitante
Alan

Gosto do site! Porém, há alguns erros gramaticais inadmissíveis para um jornal. A exemplo do penúltimo parágrafo.

Gabriel
Visitante
Gabriel

Lixo de artigo, nojo e vergonha, mal posso esperar pro tempo de vocês acabar

Bruno
Visitante
Bruno

Lixo de comentarista esse Gabriel, nojo e vergonha, mal posso esperar pro tempo dele acabar.

Carla
Visitante
Carla

Sim, ele é um gênio …. Deus nos livre desses gênios.

Míriam
Visitante
Míriam

Parece que o pessoal não entendeu nada da ironia do texto??‍♀️. Mas voltando ao caso, esses “especialistas ” sabem que agora falam apenas para eles mesmos. Não têm importância nenhuma.