Bolsonaro na ONU (Parte VI-Final): “A ideologia invadiu a própria alma humana para dela expulsar Deus e a dignidade com que Ele nos revestiu”

4

Ideologia

Por fim, a traulitada mais inesperada: a denúncia da ideologia globalista.

Um dos panos de fundo que conformam a posição política de Bolsonaro – que não tem um sistema fechado, mas recortes de demandas sociais e perspectivas religiosas-filosóficas que se conjugam num certo corpo reconhecível de propostas – é a luta anti-globalista.

Neste particular, vemos a influência mais nítida da perspectiva olaviana, por um lado, e, do outro, da bannoniana (de Steven Bannon) – que casa bem com a do chanceler Ernesto Araújo. E, neste sentido, através do presidente, o Brasil se enquadra na vanguarda mundial de resistência contra os projetos de poder globais, como o patrocinado por George Soros, que, nesta mesma Assembleia da ONU, apresentou ao mundo seu novo brinquedinho autoritário, a adolescente histriônica Greta Thunberg.

No cenário atual, os EUA de Trump, a Inglaterra do Brexit e de Boris Johnson, a Itália de Salvini e o Grupo de Visegrád, no leste Europeu, conformam a linha de frente de países que buscam reestruturar as relações de poder, no plano internacional, sobretudo no que toca à tensão entre globalistas e nacionalistas.

Consta dizer que Bolsonaro fala de ideologia no sentido das pretensas filosofias e dos discursos retóricos que se opõe, velada ou ostensivamente, à realidade; ou melhor, fala da típica verborragia utopista que tenta inventar uma segunda realidade, para usar o termo de Robert Musil, uma vez que o mundo que existe, o do dia-a-dia, o do pobre e do rico que tanto se amam com se odeiam, o da família de sempre, o da natureza que se destrói e se conserva, é hostil às suas “grandes causas”, causas estas que prometem precipitar o mundo perfeito.

Portanto, o ideólogo de que fala Bolsonaro é como um ficcionista que inventa um mundo fantástico, cujas regras dependem de sua pena, para que, ali, ele possa atuar de acordo com seus critérios, intenções e finalidades que não fariam sentido no mundo real, duro de pedra, mundo que mal conseguimos compreender, quanto menos transformá-lo com palavras mágicas ou protestos salvíficos usando jovens e agora até crianças como massa de manobra.

Só que o ideólogo cria esse mundo e quer que todos moremos dentro dele. E os que se recusam ou viram párias ou ganham uma boa bala, uma boa pá, e um boa cova.

É o caso, para dar um exemplo, da ideologia de gênero, particularmente denunciada por Bolsonaro.

Os defensores dessa maluquice negam a realidade bruta e concreta da biologia, que está aí aos olhos da cara, na medida em que esta se impõe como empecilho às suas agendas anti-família. Não conseguindo destruir a família tal como ela é, inventam, pois, que não faz sentido a ideia de família, porquanto homem e mulher não existem essencialmente, mas apenas como convenções culturais, tão mutáveis como mudam os tempos.

Essa é a posição ideológica que o presidente condenou nos microfones da ONU.

Leiamos na íntegra:

Durante as últimas décadas, nos deixamos seduzir, sem perceber, por sistemas ideológicos de pensamento que não buscavam a verdade, mas o poder absoluto.

A ideologia se instalou no terreno da cultura, da educação e da mídia, dominando meios de comunicação, universidades e escolas.

A ideologia invadiu nossos lares para investir contra a célula mater de qualquer sociedade saudável, a família.

Tentam ainda destruir a inocência de nossas crianças, pervertendo até mesmo sua identidade mais básica e elementar, a biológica.

O politicamente correto passou a dominar o debate público para expulsar a racionalidade e substituí-la pela manipulação, pela repetição de clichês e pelas palavras de ordem.

A ideologia invadiu a própria alma humana para dela expulsar Deus e a dignidade com que Ele nos revestiu.

E, com esses métodos, essa ideologia sempre deixou um rastro de morte, ignorância e miséria por onde passou.

Por fim, o presidente encerrou o discurso, que durou pouco mais de meia hora provocando a ONU e os globalistas a refrearem seus objetivos intervencionistas e reafirmarem o compromisso histórico de respeito à auto-determinação dos povos e de suas respectivas nações.

A ONU pode ajudar a derrotar o ambiente materialista e ideológico que compromete alguns princípios básicos da dignidade humana. Essa organização foi criada para promover a paz entre nações soberanas e o progresso social com liberdade, conforme o preâmbulo de sua Carta.

Nas questões do clima, da democracia, dos direitos humanos, da igualdade de direitos e deveres entre homens e mulheres, e em tantas outras, tudo o que precisamos é isto: contemplar a verdade, seguindo João 8,32:

– “E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará”.

 

E, num arremate extremamente simbólico:

Não estamos aqui para apagar nacionalidades e soberanias em nome de um “interesse global” abstrato.

Esta não é a Organização do Interesse Global!

É a Organização das Nações Unidas. Assim deve permanecer!

 

Então, num ato revolucionário, agradeceu a Deus:

Agradeço a todos, pela graça e glória de Deus!

4
Deixe um comentário

avatar
4 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
4 Comment authors
CarlaCaio S. DuarteFaical BaracatLeandro José Recent comment authors
  Subscribe  
Notify of
Leandro José
Visitante
Leandro José

Uau!!! Emocionante!! Fez nosso presidente!

Faical Baracat
Visitante
Faical Baracat

engrandece nosso Pais e nosso povo.

Caio S. Duarte
Visitante
Caio S. Duarte

Parabéns Bolsonaro.

Carla
Visitante
Carla

E no final do discurso dele, o inferno tremeu.