Fake News: Bolsonaro desmente boatos da grande mídia

0
Anúncio:

E a batalha entre o presidente Jair Bolsonaro e a mídia tradicional segue dura. Só na tarde de hoje, o mandatário precisou ir duas vezes às redes sociais desmentir notícias falsas da imprensa.

A primeira foi com relação à ruptura do PSL do Rio de Janeiro, maior partido da Alerj, com o governador Wilson Witzel. A decisão foi comunicada hoje.

Anúncio:

De acordo com o acerto, mesmo os parlamentares que tinham cargos na alta cúpula da administração carioca deixarão seus postos, como no caso da secretária de Vitimização, que cuida de policiais vítimas de balas perdidas, a deputada Major Fabiana.

À essa informação, o site O Globo cravou: “Por ordem de Bolsonaro, PSL abandona base do governo Witzel”. E isto porque o governador teria dado declarações, como a de que pretende sair candidato ao Planalto em 2022, que desagradaram o presidente.

Pois, ato contínuo Bolsonaro foi a o Twitter e retrucou: “não determinei nada. Fake News”.

O Globo acrescentou a declaração de Bolsonaro na matéria, mas manteve as mesmas informações.

Mais tarde, foi a vez do presidente questionar uma reportagem da Veja que alardeava “uma ampla reforma ministerial”.  

Bolsonaro redarguiu no Facebook: “Acabo de chegar em Brasília e já me deparo com outra MENTIRA da imprensa”. E mais: “A desinformação atenta contra a própria mídia”. E arrematou: “NÃO EXISTE QUALQUER PLANO RE REFORMA MINISTERIAL”.

Nas últimas semanas as tensões entre governo e imprensa se acirraram, principalmente por episódios de ataques de grandes órgãos da mídia ao governo de quem eles são oposição.

Um caso que ganhou bastante destaque foi o do portal G1, da Globo, que chamou uma criança, o menino Ivo Gonzaga, de imbecil e analfabeto, só porque ele gostou de passear no carro aberto com Bolsonaro durante o desfile de 7 de setembro.

Dias depois, veio à tona uma matéria da revista Época em que um repórter se fingiu de paciente homossexual para futricar a vida de Heloísa Bolsonaro, esposa de Eduardo. Na matéria, há o vazamento de conversas privadas no âmbito das consultas disponibilizadas por Heloísa e claras tentativas de ridicularizar a nora do presidente. O comportamento do repórter, nem precisa dizer, fere a ética da profissão. Inclusive, o deputado Eduardo Bolsonaro anunciou que entrará com um processo contra o responsável.