Por que o jornalismo se torna cada vez mais radical, violento e intolerante

0
Pixabay
Anúncio:

Ódio aos brasileiros, aos símbolos nacionais, a qualquer tipo de conservadorismo ou valores religiosos, tudo isso vem dando forma ao que o próprio jornalismo chamaria de onda de ódio, violência e intolerância. Mas o fato é que o jornalismo brasileiro, repetindo tendência internacional, vem descendo a um nível assustador de opressão de vozes discordantes e da livre opinião, chegando ao ponto de servir de palco a discursos ultra-radicais, violentos, em postura reacionária às mudanças oriundas da espontaneidade popular que se verifica nas redes sociais.

Para isso, a mídia mainstream global conta com os poderosos magnatas da comunicação, que bloqueiam e calam vozes conservadoras, consideradas discordantes ou prejudiciais à sociedade que imaginam.

Anúncio:

A postura dos jornalistas e comentaristas na TV, jornais e portais da grande imprensa é a de professores, guias morais e conciliadores, integradores da sociedade. A eles caberia a manutenção de um certo equilíbrio social, da paz e do convívio saudável, valores absolutos que são adorados em detrimento da justiça, sinceridade, espontaneidade e da própria verdade. Em nome da educação das massas vale absolutamente tudo.

O sonho pacifista impulsionado por magnatas

Desde que as teses da extrema-esquerda passaram a receber o dinheiro de grandes milionários, na esperança de ver a sociedade concedê-los o monopólio da valoração moral e com isso dos critérios de prioridades administrativas, as empresas de comunicação se tornaram poderosos megafones dos mais perigosos discursos de ódio. Para disfarçar a sua audácia, nada mais lógico do que perseguir a opinião livre com os rótulos que são adequados precisamente ao que fazem.

Guiados por gurus liberais, esses milionários foram aqueles que, no intuito de opor-se à estatização dos meios de produção proposta pelos socialistas, ofereceram a alternativa do poder financeiro das suas iniciativas filantrópicas, suposto remédio contra a intervenção estatal que levaria a um estado paternalista. Depois, com o advento das ONGs, esses milionários foram convencidos de que as revoluções sociais, e não econômicas, poderiam trazer-lhes vantagens competitivas e, ao mesmo tempo, manter a sua influência nos governos em tempos de paz, por meio da opinião pública. As ONGs passaram a representar a figura ambígua da “sociedade civil organizada”, termo de Antônio Gramsci para designar o corpo social da classe operária.

Paralelo às evoluções marxistas, que trocaram o sujeito econômico do proletário por sua simbolização social no lumpenproletariado, o dinheiro das grandes fundações filantrópicas passou a ser direcionado à profissionalização em detrimento da formação humanística, o que produziria um “proletariado” mais adequado ao sonho da sociedade administrada e planejada à moda de utopias administrativas como o “fordismo”, uma das inspirações do livro Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley.

Quando a Internet trouxe a crise dos modelos de financiamento do jornalismo, com a divisão do bolo publicitário, as empresas jornalísticas precisaram apelar a outro setor que pudesse financiá-lo e, ao mesmo tempo, abastecê-lo de conteúdo: o Terceiro Setor, as ONGs. Essa evolução explica uma parte da história, pois há outras histórias dentro desta. Uma delas é a história dos estudos internos da propaganda ou, como veio a ser chamada no pós-guerra, as Relações Públicas.

Para Harwood Childs, no livro An Introducion of Public Opinion, publicado pela primeira vez em 1939, a atividade das relações públicas precisou se adaptar às “exigências éticas da democracia”, ou seja, às utopias dos grandes financiadores das novíssimas revoluções sociais feitas sob medida para a manutenção e concentração cada vez maior do poder nas mãos de poucos, sem, no entanto, dar bandeira de que isso estaria sendo feito às expensas da alegada revolução das liberdades individuais.

A criação de um sistema que simulasse a liberdade e mantivesse certa coesão social, coisa facilmente obtida em tempos de guerra, foi vista como absolutamente necessária na opinião dos intelectuais globalistas do início do século XX.

Childs encarna o espírito de sua época quando diz:

Um dos aspectos mais perturbadores de todo o assunto da opinião pública é a crescente intensidade dos conflitos de opinião; são as divergências cada vez maiores entre os grupos; é a ausência de premissas e objetivos de aceitação geral. A guerra, seja ela entre povos, raças ou classes, é um reflexo deste estado de opinião. O problema da redução das diferenças de opinião entre as nações e entre as classes é, em grande parte, um problema psicológico, o da reconciliação e harmonização das diferenças de opinião. Para consegui-las, é necessário, antes de tudo, descobrir por que os estados de opinião são o que são, quais as suas verdadeiras causas. (grifos meus)

A partir daí, Childs investe em um estudo da formação e natureza da opinião pública, objeto de estudo cujo critério é, na verdade, a solução para o que ele chamou de “problema da redução das diferenças de opinião”. Grande parte dos estudos de opinião pública deste período tiveram como critério de escolha do objeto, a resolução do problema das discordâncias.

Não é estranho, portanto, quando observamos que o jornalismo, a despeito de buscar a “harmonização das diferenças de opinião” o faça mediante o rótulo pejorativo dos que manifestam discordâncias radicais, partindo da premissa que toda discordância deve ser relativista e sem grande convicção. Convicção demais pode ser prejudicial, pode levar à intolerância e, consequentemente, à guerra. Afinal, como diz Childs encarnando o espírito da sua época (e aparentemente também da nossa), os conflitos de opinião estão na causa das guerras entre as nações e, portanto, devem ser evitados. A maneira encontrada de se fazer isso é tornar a opinião domesticada e cercada de prudentes critérios, sobrando meia dúzia de concordâncias politicamente corretas.

Ouça abaixo o podcast com alguns comentários adicionais sobre o jornalismo contemporâneo e a influência dos estudos de Harwood Childs, Walter Lippmann e Elisabeth Noelle-Neumann.