Defensora de “Lula Livre”, Bachelet se diz preocupada com democracia no Brasil

8
Reprodução (fonte Renova Mídia)
Anúncio:

Michelle Bachelet, Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, declarou em uma entrevista em Genebra, nesta quarta-feira (4), que teria observado uma “redução do espaço democrático” no Brasil. Signatária do manifesto em defesa da libertação do ex-presidente Lula, a chilena Bachelet acusou supostos ataques contra defensores da natureza e dos direitos humanos no país.

Ex-presidente do Chile pela concertação socialista, Bachelet salientou o aumento do número de pessoas mortas pela polícia no Brasil, o que segundo ela afetaria desproporcionalmente os negros e as pessoas que vivem em favelas.

Anúncio:

“Nos últimos meses, observamos [no Brasil] uma redução do espaço cívico e democrático, caracterizado por ataques contra defensores dos direitos humanos, restrições impostas ao trabalho da sociedade civil.”

As declarações surgem em momento que o governo brasileiro comemora uma redução de 22% no número de mortes violentas nos primeiros seis meses do governo Bolsonaro, quando comparado com o mesmo período do ano passado. Foram 21.289 assassinatos registrados em 2019, contra 27.371 no mesmo período de 2018, uma redução de 6 mil. A informação consta no índice nacional de homicídios publicado com base no Monitor da Violência.

Ainda em seu discurso na Suíça, alfinetando o presidente brasileiro, a ex-presidente do Chile, que foi membro do Foro de São Paulo antes de entrar na ONU, lamentou o “discurso público que legitima as execuções sumárias” e a persistência da impunidade.

Em 2018, antes das eleições, Bachelet assinou o manifesto em defesa da liberdade de Lula para que ele pudesse concorrer às eleições. A situação causou desconforto com o governo do Chile e o chanceler Roberto Ampuero pediu “prudência” e destacar que “o Brasil é um Estado de direito, tem um Poder Judicial que é independente, tem uma maturidade e uma estabilidade enorme, é um grande parceiro comercial”.

Alguns dias após a divulgação da carta, Bachelet viajou ao Brasil para participar da conferência inaugural do Congresso de Saúde Coletiva, no Rio de Janeiro. Durante o evento, Bachelet juntou-se ao coro por “Lula Livre” entoado por militantes de esquerda. A presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, compartilhou o momento em suas redes sociais.

“Está defendendo direitos humanos de vagabundos”, disse Bolsonaro sobre Bachelet.

Em resposta às provocações da Comissária da ONU, o presidente Jair Bolsonaro, afirmou que Bachelet está defendendo os “direitos humanos de vagabundos” no Brasil.

Bolsonaro disse:

“Perderam a briga na agenda ambiental. Igual o Macron quis fazer com a nossa soberania aqui. Ela agora vai na agenda de direitos humanos. Está acusando que eu não estou punindo. Que policiais estão matando muita gente no Brasil. Esta é a acusação dela. Está defendendo direitos humanos de vagabundos.”

Em seguida, criticou as declarações de Bachelet sobre uma suposta “redução do espaço cívico e democrático” no país:

“Senhora Michelle Bachelet, se não fosse o pessoal do Pinochet derrotar a esquerda em 73, entre eles, seu pai, hoje o Chile seria uma Cuba. […] Parece que quando tem gente que não tem o que fazer, como a senhora Michelle Bachelet, vai lá para a cadeira de Direitos Humanos da ONU.”

Bolsonaro afirmou que Bachelet investe “contra o Brasil na agenda de direitos humanos (de bandidos), atacando nossos valorosos policiais civis e militares”. O presidente comparou a Alta Comissária da ONU a Emmanuel Macron, ao dizer que ela estaria “seguindo a linha” do presidente da França ao se “intrometer nos assuntos internos e na soberania brasileira”.

Fonte: Renova Mídia

 

Inscreva-se em nossa Newsletter e receba novidades por e-mail.

 

8
Deixe um comentário

avatar
8000
7 Tópicos de comentários
1 Respostas em tópicos
2 Seguidores
 
Comentário mais reagido
Comentário mais polêmico
5 Autores dos comentários
Charles BernardoHenrique VellosoEdson FreireIvo MartinsAlmanakut Brasil Autores de comentários recentes
  Notifique-me  
Notificar de
Almanakut Brasil
Visitante
Almanakut Brasil

Brasil sairá da ‘ONU comunista’ se for eleito, diz Bolsonaro – (Folhapress/Valor/Globo – 18/08/2018)

Bolsonaro: sou 1º presidente a cumprir promessas de campanha – (Reuters/Terra – 27/07/2019)

Ivo Martins
Visitante
Ivo Martins

*POSTADO NO PERFIL DA DITA CUJA* —- E disse a senhora: ” um aumento do número de pessoas mortas pela polícia no país liderado pelo presidente de extrema-direita Jair Jair Messias Bolsonaro, ressaltando que esta violência afeta desproporcionalmente os negros e as pessoas que vivem em favelas.” __ >>> Em qual momento deseja a senhora entrar em uma favela de Rio de Janeiro, ou São Paulo, ou noutro lugar qualquer, sem a presença e proteção de nossas forças policiais? A senhora parece demonstrar tanta segurança atrás dos microfones, teria tal coragem de sem a presença da Polícia Militar do Estado… Read more »

Henrique Velloso
Visitante
Henrique Velloso

Perfeita explanação, Ivo!
Parabéns!

Edson Freire
Visitante
Edson Freire

Preocupa-se com a democracia na Venezuela, pois não resta nenhuma lá

Edson Freire
Visitante
Edson Freire

Preocupe-se com a democracia na Venezuela, não resta nenhuma lá.

Charles Bernardo
Visitante
Charles Bernardo

Parabéns Bolsonaro, não falou mentiras. E sabemos que a verdade machuca a esquerda.