A França mergulha lentamente no caos

1
Foto: Kiyoshi Ota - Pool/Getty Images
Anúncio:

Paris, Champs-Élysées. 14 de julho. Dia da Queda da Bastilha. Instantes antes do início do desfile militar, o presidente Emmanuel Macron desce a avenida em um carro oficial para saudar a multidão. Milhares de pessoas se aglomeram ao longo da avenida gritando “Macron renuncie”, vaiando e insultando.

Ao final do desfile, dezenas de pessoas soltaram balões amarelos e distribuíram panfletos com os seguintes dizeres: “os coletes amarelos não estão mortos”. Elas foram dispersadas com rapidez e truculência. Pouco depois, apareceram centenas de anarquistas da “Antifa” (movimento antifascista) e jogaram as barreiras de proteção nas ruas e calçadas para montar barricadas, provocar incêndios e destruir as frentes de lojas. A polícia teve muito trabalho para conter os distúrbios, passado algum tempo, já ao anoitecer, a ordem foi restabelecida.

Horas depois, milhares de jovens árabes dos subúrbios se concentraram perto do Arco do Triunfo. À primeira vista eles vieram “comemorar” à moda árabe a vitória de um time de futebol argelino. Mais frentes de lojas são destruídas, mais lojas são saqueadas. Bandeiras argelinas estão por toda parte. Palavras de ordem são entoadas: “Viva a Argélia”, “A França é nossa”, “Morte à França”. Placas com os nomes das ruas são substituídas por placas com o nome de Abd El Kader, líder religioso e militar que lutou contra o exército francês na época da colonização da Argélia. A polícia se limita em conter a violência na esperança dela não se espalhar.

Por volta da meia-noite, três líderes do movimento “coletes amarelos” saem de uma delegacia de polícia e dizem a um repórter de uma rede de TV que eles foram presos nas primeiras horas daquela manhã e permaneceram atrás das grades até o final do dia. O advogado deles afirma que eles não fizeram nada de errado e que foram presos “preventivamente”. Ele enfatiza que uma leiaprovada em fevereiro de 2019 permite que a polícia francesa prenda qualquer pessoa suspeita de ir a uma manifestação, não há necessidade de autorização de um juiz e também não há nenhuma possibilidade de apelação.

Na sexta-feira, 19 de julho, o time de futebol argelino vence mais uma partida. Desta vez mais jovens árabes se aglomeram junto ao Arco do Triunfo para “comemorar”. Os estragos são ainda maiores do que há oito dias. Aparecem mais policiais, mas não fazem quase nada.

Em 12 de julho, dois dias antes do Dia da Queda da Bastilha, centenas dos assim autodeclarados migrantes ilegais da África invadem o Panteão, monumento que abriga os túmulos dos heróis que desempenharam importantes papéis na história da França. Em seu interior, os migrantes anunciam o nascimento do “movimento Coletes Negros”. Eles exigem a “regularização” de todos os imigrantes ilegais em território francês e moradia gratuita para cada um deles. A polícia aparece, mas se recusa a intervir. A maioria dos manifestantes deixa o local pacificamente. Alguns insultam a polícia e são presos.

Hoje a França é um país à deriva. Distúrbios e desrespeito à lei continuam ganhando terreno. Tumultos fazem parte do dia a dia. As pesquisas de opinião mostram que a esmagadora maioria desaprova o presidente Macron. Parece que os franceses odeiam a sua arrogância e não estão dispostos a perdoá-lo. Ao que tudo indica eles se ressentem de seu desprezo pelos menos favorecidos, a maneira com que ele esmagou o movimento “Coletes Amarelos” e também por não ter dado a mínima atenção às parcas reivindicações dos manifestantes, como o direito de realizar um referendo dos cidadãos como aqueles que ocorrem na Suíça. Macron não ousa ir a nenhum lugar público para não correr o risco de se ver diante de manifestações de descontentamento.

Parece que os “coletes amarelos” finalmente interromperam as manifestações e jogaram a toalha: muitos saíram mutilados ou feridos. O descontentamento, no entanto, não esfriou. Há indícios que vai explodir novamente.

Dá a impressão que a polícia francesa fica furiosa quando lida com manifestantes pacíficos, contudo mal consegue evitar que movimentos como o “Antifa” provoquem atos de violência. De modo que agora ao final de cada manifestação, o “Antifa” aparece. A polícia francesa age com especial cautela quando se trata de jovens árabes e imigrantes ilegais. Ela recebeu ordens nesse sentido. Os policiais sabem que jovens árabes e migrantes ilegais podem criar tumultos de grandes proporções. Há três meses em Grenoble a polícia perseguiujovens árabes montados em uma moto furtada, eles tinham sido acusados de roubo. Durante a fuga sofreram um acidente. Durante cinco dias reinou a baderna.

O presidente Macron aparenta ser aquele líder autoritário quando lida com os menos favorecidos. Ele jamais diz que lamenta que há pessoas que perderam um olho ou uma mão ou que sofreram danos cerebrais irreversíveis devido à extrema truculência da polícia. Longe disso, ele solicitou ao parlamento francês que passasse uma legislação que praticamente abole o direito de protestar, a presunção de inocência e pede permissão de prender qualquer um, em qualquer lugar, mesmo sem motivo algum. A lei foi aprovada.

Em junho o parlamento francês aprovou outra lei, punindo exemplarmente qualquer um que diga ou escreva algo que possa conter algum “discurso de incitamento ao ódio”. A lei é tão vaga que o jurista americano Jonathan Turley se sentiu obrigado a reagir. “A França se tornou uma das maiores ameaças internacionais à liberdade de expressão”, escreveu ele.

Macron não parece ser autoritário quando se trata de anarquistas violentos. Diante de árabes e migrantes ilegais ele parece fraco, em gênero e número

Ele está cansado de saber o que o ex-ministro do interior, Gérard Collomb, ressaltou em novembro de 2018, ao renunciar ao cargo:

“As comunidades na França estão entrando em choque umas com as outras cada vez mais e a situação está se tornando extremamente violenta… hoje vivemos lado a lado, temo que amanhã seja frente a frente”.

Macron também sabe o que o ex-presidente François Hollande salientou após cumprir seu mandato como presidente: “a França está à beira da partição”.

Macron sabe que a partição da França já existe. A maioria dos árabes e africanos vive em zonas proibidasà parte do restante da população, onde se aceita cada vez menos a presença de não árabes e não africanos. Eles não se entendem como franceses, a não ser quando dizem que a França será deles. Estudos mostram que a maioria sente profunda rejeição em relação à França e em relação à civilização ocidental. Ao que tudo indica um número cada vez maior de árabes e africanos colocam a religião acima da cidadania, muitos dão a entender que já estão radicalizados e prontos para lutar.

A impressão é que Macron não quer lutar. Muito pelo contrário, ele optou por colocar panos quentes. Ele está obstinadamente trilhando seus planos de institucionalizar o Islã na França. Há três meses foi criada a Associação Muçulmana para o Islã da França (AMIF). Uma divisão cuidará da expansão cultural do Islã e se encarregará da “luta contra o racismo antimuçulmano”. Outra divisão será responsável pelos programas de treinamento de imãs e construção de mesquitas. No próximo outono será fundado o “Conselho de Imãs da França”. As principais cabeças da AMIF são (ou foram até recentemente) membros da Irmandade Muçulmana, um movimento considerado uma organização terrorista no Egito, Bahrein, Síria, Rússia, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos, mas não na França.

Macron está ciente dos dados demográficos. Eles mostram que a população muçulmana da França terá um crescimento exponencial nos próximos anos. (O economista Charles Gave escreveu recentemente que em 2057 a população muçulmana será maioria na França). Macron vê que não está longe o dia em que será impossível alguém ser eleito presidente sem o voto muçulmano, de modo que ele age em função disso.

Macron ao que parece sabe que o descontentamento que deu origem ao movimento “coletes amarelos” ainda está . Ele pensa que a repressão será o suficiente para evitar mais revoltas e, portanto, não faz nada para sanear as causas do descontentamento.

O movimento “coletes amarelos” surgiu a partir de uma revolta contra a alta exorbitante de impostos sobre os combustíveis além de duras medidas do governo contra os automóveis e contra os motoristas. Faz parte dessas medidas a redução nos limites de velocidade para 80 km/h na maioria das rodovias, mais radares de velocidade, aumento acentuado nas penalidades dos infratores, bem como complexos e caríssimos controles anuais sobre veículos automotivos. Os impostos sobre combustíveis aumentaram de novo recentemente e já são os mais altos da Europa (70% no preço na bomba). Outras medidas contra o uso de automóveis e contra os motoristas ainda em vigor são especialmente penosas para os menos favorecidos. Eles já estavam sendo assediados nos subúrbios por recém-chegados intolerantes e agora tem que morar e dirigir de mais longe ainda até o local de trabalho.

Macron não tomou nenhuma decisão no sentido de arrumar a casa quanto à desastrosa situação econômica em que se encontra a França. Quando ele foi eleito, os impostos, taxas e encargos sociais representavam quase 50% do PIB. Gastos públicos representavam 57% do PIB (o mais alto dos países desenvolvidos). A relação da dívida interna com o PIB era de praticamente 100%.

Taxas, impostos, encargos sociais e gastos do governo permanecem no mesmo patamar de quando Macron assumiu a presidência. A relação da dívida com PIB é de 100% e continua aumentando. A economia francesa não está criando empregos. A pobreza permanece extremamente alta: 14% da população ganha menos de 855 euros (950 dólares) por mês.

Macron não dá a devida atenção ao crescente desastre cultural que ainda por cima assola o país. O sistema educacional está se esfarelando. Uma porcentagem cada vez maior de alunos conclui o ensino médio sem saber escrever uma sentença sem erros, tornando incompreensível qualquer coisa que escrevem. O cristianismo está desaparecendo. A maioria dos franceses não muçulmanos não se considera mais cristã. O incêndio que devastou a Catedral de Notre Dame de Paris foi oficialmente considerado um “acidente“, mas ela foi só uma das inúmeras edificações religiosas cristãs no país que foram recentemente destruídas. Toda semana igrejas são vandalizadas diante da indiferença da população como um todo. Somente na primeira metade de 2019, 22 igrejas foram consumidas pelo fogo.

A preocupação nº 1 de Macron e do governo francês parece não ser o risco de tumultos, o descontentamento da população, o desaparecimento do cristianismo, a desastrosa situação econômica ou a islamização e suas consequências. A preocupação nº 1 são as mudanças climáticas. Embora a quantidade de emissões de dióxido de carbono da França seja infinitesimal(menos de 1% do total global), o combate à “mudança climática induzida pelo homem” parece ser a prioridade absoluta de Macron.

Greta Thunberg, uma adolescente sueca de 16 anos, já guru na “luta pelo clima” na Europa, foi recentemente convidada por membros do parlamento que apoiam Macron a visitar a assembleia nacional francesa. Ela proferiu um discurso assegurando que a “destruição irreversível” do planeta começará muito em breve. Ela salientou que a liderança política “não é madura o suficiente” e que precisa de lições das crianças. Os deputados que apoiam Macron aplaudiram calorosamente. Ela recebeu o Prêmio da Liberdade que acaba de ser criado, que será agraciado a cada ano àqueles que “lutam pelos valores daqueles que desembarcaram na Normandia em 1944 para libertar a Europa “. Talvez seja razoável supor que nenhum daqueles que desembarcou na Normandia em 1944 achou que estava lutando para salvar o clima. Esses pequenos detalhes, no entanto, parecem estar além de Macron e dos parlamentares que o apoiam.

Macron e o governo francês também parecem não estar preocupados que os judeus, compelidos pela escalada do antissemitismo e, como não podia deixar de ser, preocupados com decisões judiciais permeadas com o espírito de submissão ao Islã violento, continuam fugindo da França.

Kobili Traore, o homem que assassinou Sarah Halimi em 2017 entoando suratas do Alcorão, vociferando que os judeus são Sheitan (“Satã” em Árabe) foi considerado inocente. Traore ao que tudo indica, fumou maconha antes de cometer o assassinato, portanto os juízes decidiram que ele não era responsável pelos seus atos. Traore logo sairá da prisão, o que será que vai acontecer se ele voltar a fumar maconha?

Semanas após o assassinato de Halimi, três integrantes de uma família judia foram atacados, torturados e mantidos reféns em sua casa por um grupo de cinco homens que dizia que “os judeus têm dinheiro” e que “os judeus têm que pagar”. Os homens foram presos, todos eram muçulmanos. O juiz que os indiciou deliberou que suas ações não configuravam atos “antissemitas”.

Em 25 de julho de 2019, quando o time de futebol israelense Maccabi Haifa jogava em Estrasburgo, o governo francês havia limitado o número de torcedores israelenses com permissão de entrar no estádio para 600, nem unzinho a mais. Mil torcedores israelenses tinham comprado passagens de avião para ir à França assistir ao jogo. O governo francês também proibiubandeiras israelenses no jogo e também em qualquer outro lugar da cidade. No entanto, em nome da “liberdade de expressão”, o Ministério do Interior da França permitiu que houvesse manifestações anti-israelenses em frente ao estádio com bandeiras e cartazes palestinos com os dizeres “Morte a Israel”. Na véspera do jogo, em um restaurante perto do estádio, torcedores israelenses foram brutalmente agredidos. “As manifestações contra Israel são permitidas em nome da liberdade de expressão, mas as autoridades proíbem os torcedores do Maccabi Haifa de levantarem a bandeira de Israel, isso é inaceitável,” ressaltou Aliza Ben Nun, embaixadora de Israel na França.

Recentemente um avião lotado de judeus franceses chegou em Israel. Mais judeus franceses irão em breve. A mudança dos judeus para Israel implica em sacrifícios: corretores de imóveis franceses se aproveitam da situação, do desejo de muitas famílias judias de saírem do país e compram e vendem propriedades de judeus a um preço bem abaixo do valor de mercado.

Macron permanecerá na presidência até maio de 2022. Vários líderes dos partidos de centro-esquerda (como o Partido Socialista) e de centro-direita (Os Republicanos) se juntaram ao partido Em Marcha, criado por Macron há dois anos. Na sequência, o Partido Socialista e os Republicanos entraram em colapso. Provavelmente o principal oponente de Macron em 2022 será o mesmode 2017: Marine Le Pen, líder do partido populista União Nacional.

Embora Macron seja largamente rejeitado e largamente odiado, ele provavelmente usará os mesmos lemas de 2017: que ele é o último bastião de esperança contra o “caos” e o “fascismo”. Ele é favorito para ser eleito novamente. Quem lê o programa político da União Nacional sabe que Le Pen não é fascista. Quem olhar para a situação em que a França se encontra, poderá muito bem perguntar a si mesmo se a França já não começou a mergulhar no caos.

O melancolismo que reina na França não é tão diferente do melancolismo que reina em inúmeros países europeus. Há poucas semanas, o cardeal africano Robert Sarah publicou um livro intitulado Le soirapproche et déjà le jour baisse(“A noite chega e a luz já escurece”). “Na raiz do colapso do Ocidente”, escreve ele, “há uma crise cultural e de identidade. O Ocidente já não sabe o que ele é, porque não sabe e não quer saber o que o moldou, o que o constituiu, o que foi e o que é (…). Essa autoasfixia conduz naturalmente a uma decadência que abre caminho para novas civilizações bárbaras.”

É exatamente isso que está acontecendo na França e na Europa.

Dr. Guy Millière, professor da Universidade de Paris, é autor de 27 livros sobre a França e a Europa.