TRT4-RS paga 6 mil sem licitação para “curso Feminismos”

1
Anúncio:

Contratado por inexibilidade de licitação o curso chamado “Feminismos” gerou despesa total de 6 mil reais ao Tribunal Regional do Trabalho da 4º Região no estado do Rio Grande do Sul. O curso será realizado em novembro de 2019.

Segundo informações disponíveis no site do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região do Rio Grande do Sul (RS), a “contratação direta” do “Curso Feminismos” visa contemplar 20 participantes, ao custo por participante de 300 reais. O curso é oferecido pela FEMARGS e tem carga horária de 42h.

Anúncio:

A FEMARGS (Fundação Escola de Magistratura do Trabalho do Estado do Rio Grande do Sul) oferece o curso da ideologia em parceria com Associação Gaúcha de Advogadas e Advogados Trabalhistas (AGETRA) e com apoio do “Ó Mulheres”. No curso o foco é a produção teórica dos diversos feminismos, a presença de ativismo de mulheres dentro de espaços públicos e a criação de rede de mulheres ao redor do mundo. “É um curso de formação feminista”, descreve Luciane, criadora da consultoria e assessoria “Ó Mulheres”, em reportagem recente ao site Sul21. Na reportagem é dito que a iniciativa é a ocupação de “um lugar que deveria ser ocupado pelo Estado”, aliando feminismo e direitos humanos.

A iniciativa que fomenta a ideologia feminista com uso de recursos públicos demonstra a já existente dominação ideológica no setor público e indica que essa ideologização pretende continuar crescendo. 

Em março de 2019, na Escola Judicial do mesmo Tribunal (TRT4-RS) foi realizado um evento no Dia Internacional da Mulher onde afirmava-se “O feminismo é fundamental. Toda pessoa inteligente, homem ou mulher, é feminista”.


Informações:

Site TRT4; Sul21.

 

Inscreva-se em nossa Newsletter e receba novidades por e-mail.

 

1
Deixe um comentário

avatar
8000
1 Tópicos de comentários
0 Respostas em tópicos
0 Seguidores
 
Comentário mais reagido
Comentário mais polêmico
1 Autores dos comentários
Paulo Autores de comentários recentes
  Notifique-me  
Notificar de
Paulo
Visitante
Paulo

Prezado Marlon, pelo que sei esse tipo de contratação sempre é por inexigibilidade, pois treinamento seria digamos serviço técnico profissional, sem possibilidade de competição. Quanto ao teor, aí claro é uma porcaria sendo paga com dinheiro público, e pelo que vimos esse pessoal não anda se importando muito com aspectos éticos.