Como será 2022? Uma reflexão desde fora das torcidas

8
Anúncio:

Guilherme Hobbs

Até esse ano, a união verde-e-amarela de 2015/2016 terá acabado de se fragmentar e se dissolver. Grupos com discurso anti-institucional, a maioria próxima ao governo ou PSL, farão barulho, mas não encherão uma quadra da Paulista. A economia não terá decolado e só a menor parte das reformas será concluída. Com a popularidade do governo abaixo de 40%, o presidente escolherá não concorrer. Nem Moro nem Guedes se candidatarão, pois de coração são especialistas e não políticos, e o presidente apoiará um aliado mais experiente, como Marcos Feliciano.

A esquerda continuará em frangalhos politicamente, apostando as melhores energias na guerra cultural e na conquista do Parlamento. Com isso, preparará uma volta segura ao governo, como foi em 2003. As universidades, a mídia e boa parte da “sociedade civil” continuará solidamente em suas mãos. Eles jamais esquecerão a lição que Olavo repete inutilmente há tantos anos: na disputa cultural, um professor de escola primária na periferia tem infinitamente mais poder que o presidente da República . . .

Anúncio:

Haverá uma percepção geral de que a Era Bolsonaro gerou mais luz que calor e muitos dos manifestantes de 2015, em especial os de mentalidade mais liberal, desejarão um novo governo que dê resultados, ao invés de dar “ideologia”. A temperatura ideológica da política terá baixado bastante e a disputa direita-esquerda despertará paixões em bem menos pessoas. Muitos se questionarão: No que resultou tanta polarização? Não foi um exagero, que beneficiou mais os oportunistas e demagogos do que o povo real?

Dentro da direita, haverá uma divisão clara entre essa ala “pragmática”, liberal sobretudo, que trabalha numa solução econômica e estrutural para os problemas políticos, por meio da aprovação das reformas, e outra “radical”, anti-institucional, que promete uma solução política para os problemas econômicos e sociais. A falta de consistência nas propostas desta última ala, somada ao cansaço com a sobrecarga ideológica do governo, a afastará do poder por longos anos.

Neste cenário, a candidatura de João Dória terá rapidamente o apoio de quase toda a direita liberal, dos governadores e da maioria do Parlamento (mesmo dentro do PSL). Ao contrário de 2018, não haverá tergiversações ou algum “Flavio Rocha” neste campo. A hora é de resultados e o caminho do PSDB de volta ao poder será rápido, incruento e quase indolor. Dória parece estar costurando tudo isso meticulosamente desde 2016.

Boa parte da atual bancada do PSL desaparecerá da política e do horizonte. Os deputados mais votados e influentes serão liberais focados na economia, ao estilo do “Príncipe”. Eles serão a voz ouvida pela imprensa e pela maioria da classe média. Eles serão a hegemonia até que a esquerda, de rosa ou vermelho-sangue, volte ao trono que é seu — devido ao controle sobre as instituições — e que permanece vago desde 2015.

A imprensa gradualmente recobrará o prestígio. Nada será como antes de 2013, mas a “desmessianização” da política, a substituição da política pela economia no foco das atenções e esperanças, a valorização do pragmatismo, revalidará o papel de quem oferece comentário econômico credenciado: a velha imprensa. A revolução-via-whatsapp parecerá um fenômeno datado, ilusório e infantil. O “Gigante” terá voltado a dormir, pois, ao abrir brevemente os olhos, não viu o que lhe retivesse a atenção e despertasse a inteligência.

***

Quem ainda buscar uma transformação espiritual profunda do Brasil, vai aprender na prática o que tantos já ensinaram na teoria: não é do alto de palanques e palácios que se muda o povo, mas é oferecendo-lhe, com humildade e sabedoria, algo de intrinsecamente real e verdadeiro. Mas quem terá algo de real e verdadeiro a oferecer? Antes, quem terá encontrado e absorvido algo real e verdadeiro para si mesmo, para então poder compartir?

PS: ESTE TEXTO NÃO É DE TORCIDA. NÃO É “CONTRA” OU “A FAVOR” DE NADA. Destina-se apenas a quem busca uma compreensão da História.

 

Inscreva-se em nossa Newsletter e receba novidades por e-mail.

 

8
Deixe um comentário

avatar
8000
8 Tópicos de comentários
0 Respostas em tópicos
0 Seguidores
 
Comentário mais reagido
Comentário mais polêmico
8 Autores dos comentários
MarcosAlmanakut BrasilThiagoFabio Bueno de OliveiraArtur Autores de comentários recentes
  Notifique-me  
Notificar de
Leandro José
Visitante
Leandro José

Parabéns pelo texto! Mais imparcial que isso impossível, triste realidade.

HIGOR ROCHA
Visitante
HIGOR ROCHA

Intrigante análise.

Deprimente
Visitante
Deprimente

Deprimente

Artur
Visitante
Artur

Ou seja,vai dar em pizza, vai vai e volta ao mesmo lugar. O negócio parece ser mesmo aquele ditado: tá no inferno, abrace o capeta. Se não se pode vencê-los, junte-se a eles. Há anos eu venho dizendo para desistirmos de qualquer esperança para este país, pois tudo irá no fim das contas se transformar em frustração, perda de tempo, e stress. “A civilização ocidental não será punida – ela é a punição.”

Fabio Bueno de Oliveira
Visitante
Fabio Bueno de Oliveira

Que bosta de reflexão