Globo faz fake news sobre Weintraub, mas não terá alcance reduzido

1
Anúncio:

Enquanto pequenos veículos da mídia têm seu alcance reduzido quando cometem erros de informação, grandes veículos não são afetados em seu alcance nas redes sociais ou televisão.

A Globo News na última quarta-feira (24/07) informou incorretamente que o Ministro da Educação, Abraham Weintraub, teria tirado férias de forma ilícita porque seu período de ausência ter sido remunerado e ele tem apenas alguns meses no cargo de ministro.

Anúncio:

A interpretação era indevida e o ministro não agiu de forma ilícita ou imoral. O erro da Globo News ocorreu porque ao consultar especialistas, a emissora teria sido informada que mesmo Abraham tendo férias acumuladas pelo tempo que atuou como professor, não teria direito à férias remuneradas agora no cargo de Ministro, já que tem poucos meses de serviço no ministério.

A Globo News se retratou no dia seguinte porque tomou ciência sobre a existência de normativa do Ministério do Planejamento que prevê a garantia dos benefícios nesta situação, em que o professor de carreira federal está a serviço do estado cedido para outro órgão ou entidade.

Fake news da grande mídia não traz danos para seu alcance midiático

A Globo News repercutiu sua o erro na televisão e na internet. Apesar disso, não terá seu alcance reduzido por meio das atividades punitivas de checadores de fatos (fact Checking), que atuam em parceria com Facebook e outras redes sociais. Além disso, por óbvio, o alcance da Globo News enquanto televisão permanece inalterado (pois não existem mecanismos para punição ou censura de sinal de TV). Por outro lado, qualquer mídia alternativa que cometa uma gafe deste tipo, mesmo que faça a ressalva e errata, pode ser punida por checadores de fatos e terá, até mesmo de forma permanente, o seu alcance reduzido nas redes sociais.

A tratamento desigual representa um grande obstáculo para a democracia no processo de informação no Brasil, bem como, pode se caracterizar uma concorrência desleal entre grandes conglomerados da comunicação e pequenas empresas, blogs, páginas e jornalistas independentes, frequentemente desacreditados por essas grandes empresas de mídia, que temem concorrência.