O agente Santos Cruz na missão de salvar a velha mídia da extinção

14
Anúncio:

O desejo de “disciplinar as redes sociais” manifestado pelo general Santos Cruz vai muito além da mera intenção de censurar as redes. Há suficientes razões e fatos colhidos da própria cobertura midiática para evidenciar outras motivações: a missão do general é, assim como era a de Bebianno, parasitar a Secom para garantir a verba estatal aos veículos de imprensa, o que passa pelo objetivo de neutralizar a comunicação do Presidente com o seu eleitorado.

Informações de fontes ligadas ao alto escalão têm confirmado as análises de alguns amigos próximos, no sentido de que o general substitui Bebianno para impedir a Secom de fazer propaganda própria sobre a Nova Previdência, deixando a cargo da grande mídia que levará todo o crédito pela sua aprovação. Isso teria um duplo efeito, que conciliaria respectivamente interesses dos dois grupos envolvidos (militares e empresários de mídia). Quais são os dois efeitos?

Anúncio:

Em primeiro lugar, retira do Presidente o crédito da Reforma da Previdência, impedindo seu eventual uso político: nem na mídia de esquerda e nem no meio militar se quer arriscar uma possível reeleição de Bolsonaro ou de um sucessor fiel. Isso por diversos motivos, incluindo aí algumas especulações sobre possível candidatura à sucessão de um certo fardado de tinta no cabelo.

Em segundo lugar, a paralisação da Secom para fazer propaganda própria da Nova Previdência também abre o crédito para os grandes jornais, justificando assim, para os seus advogados presentes no governo, o repasse de recursos a esses valiosos canais.

Para qualquer um que esteja acompanhando os acontecimentos desde a demissão de Bebianno, essas motivações devem ser consideradas um pouco mais do que especulativas. Afinal, principalmente esses sites (Antagonista, Gazeta do Povo, Jovem Pan e outros), estiveram no centro dos acontecimentos, de onde veio a maior parte da narrativa que põe Carlos Bolsonaro como centro do problema, desviando da atuação mais do que suspeita tanto de Bebianno quanto do atual Santos Cruz. Mais do que isso, essa hipótese dá ainda maior sentido à “tutela militar” comandada pelo “general da ONU”, que cria tensão nos ministérios para fazer valer as indicações de militares em detrimento das de ministros mais alinhados a Bolsonaro.

O filho, Carlos Bolsonaro conseguiu proteger a tempo o pai de uma armadilha que certamente o levaria a um Impeachment. Carlos tem sido um dos mais atuantes elos entre o Presidente e o seu eleitorado e por isso acabou sendo apontado por esses canais de mídia como um “filho problema”, um gerador de crises.

O site O Antagonista, mantido por empresa milionária que vive de especulação financeira às custas de flutuações políticas, já fez a comparação. Santos Cruz pode ter se tornado o novo Bebianno. Na verdade, eles se referem apenas à campanha contra ele feita nas redes sociais e não à evidente traição cometida, real motivo do levante da hashtag #ForaSantosCruz, que obteve o trend topic no Twitter do Brasil.

Segundo o site, a saída do militar do governo poderia ter um impacto seríssimo. Não seria esse impacto apenas sobre as contas dessas empresas de mídia que estão desesperadas com a possibilidade da queda do general, assim como estiveram com Bebianno? A função de Bebianno pode ter sido transmitida diretamente ao general que agora é alvo de uma campanha de eleitores em favor das propostas do presidente que elegeram.

Como tem lembrado Olavo de Carvalho, os brasileiros votaram em um homem que prometia acabar com o sistema de articulações políticas espúrias por cargos ou dinheiro, favores e posições de poder. Não votaram em nenhum general ou matilha de generais sedentos por devolver o poder às mãos dos mesmos canibais que devoraram o Brasil por décadas. Este é o espírito da revolta que toma as redes sociais diante das informações sobre a atuação de meia dúzia de fardados que acreditam piamente serem o poder moderador da República, quando na verdade revelaram ser a verdadeira e mais perigosa classe revolucionária do país.

 

Inscreva-se em nossa Newsletter e receba novidades por e-mail.