Como funciona a “tutela militar” comandada por Santos Cruz em órgãos do governo

42
General Santos Cruz (Reprodução)
Anúncio:

Os militares que ocupam o alto escalão do governo se utilizam da hierarquia militar para implantar uma espécie de estrutura paralela totalmente contrária aos anseios que elegeram o presidente Jair Bolsonaro.

Em diversos órgãos da administração federal, ministérios e agências do governo, generais como Santos Cruz tem sido implacáveis no objetivo de renovar todos os contratos de governos anteriores, especialmente em questões culturais, usando para isso desde psicologia reversa até insubordinação declarada ao Presidente da República.

Uma das táticas dos generais é ocupar todos os órgãos estratégicos do governo por meio de pessoas que respondam à hierarquia militar acima de qualquer outra solidariedade, incluindo com o Presidente. Para isso, a tática é retirar os quadros inconvenientes, o que os militares têm feito através de uma verdadeira operação de tomada de territórios e neutralização das defesas consideradas inimigas. Os alvos preferenciais são todos os quadros indicados pelos ministros mais fiéis a Bolsonaro.

Anúncio:

Fica cada vez mais evidente que o ministro Ernesto Araújo é a bola da vez, o próximo grande alvo dos militares que não desejam o Itamaraty nas mãos de civis com ideias demais na cabeça. A tática parece ser vir de baixo para cima: a Agência Brasileira de Promoção da Exportação (Apex) é a responsável por contratos com a grande mídia e produtoras que compõem o mesmo esquema das décadas anteriores, como o filme que falava sobre o ânus humano, referido em artigo recente. Produtoras com vínculos petistas e psolistas estão na lista.

Ao que parece, essas empresas que se dedicam à subversão cultural de importância estratégica para a manutenção da hegemonia cultural da esquerda, são igualmente valiosas para os militares do alto escalão.

Indicados por Ernesto Araújo, os diretores da Apex, Márcio Coimbra e Letícia Catelani têm sido a grande pedra no sapato dos conspiradores de farda e dos editores da mídia quando o assunto são os contratos com o governo. Os diretores cometeram um terrível crime: ousaram não assinar contratos de parcerias com empresas como a Terroá, citada na Lava Jato, que receberia 1 milhão de reais somente para fazer a agenda dos palestrantes para um evento sobre o Brasil nos EUA.

Um espaço chamado Casa Brasil, inserido no evento internacional, contaria com palestras sobre gênero, questões raciais e indigenismo, temas que os organizadores acreditaram ser representativos da cultura brasileira. Só o site G1 receberia 500 mil reais para fazer a cobertura do evento. Os diretores cometeram a atrocidade de cortar o financiamento para esses eventos. Além disso, outros contratos nem foram apresentados já temendo serem rechaçados. Filmes de questionável qualidade, como o que já mencionamos, tiveram cortes que poderiam retirar o Brasil da disputa em Cannes, o que irritou grande parte da grande mídia e fez da Apex uma inimiga da cultura. Aquela cultura brasileira tão belamente representada no filme “A Rosa Azul de Novalis”.

Dos dois diretores indicados por Ernesto, apenas Letícia Catelani permanece no cargo. Márcio Coimbra já foi destituído do cargo após polêmica envolvendo o ex-presidente Mário Vilalva.

Uma outra postagem de Sílvio Grimaldo ajuda a entender o motivo da “intermediação” do general com o presidente.

Santos Cruz prometeu à Ancine que vai restabelecer o programa Cinema do Brasil, que consome R$ 12 milhões dos cofres públicos organizando exibições e festinhas dos excelentes cineastas esquerdistas brasileiros Europa a dentro, e que não atende a nenhum interesse nacional relevante. Essa é a primeira missão do almirante Segovia, cuja nomeação será assinada hoje presidente Bolsonaro. Ou seja, mais uma quartelada para impedir que as coisas mudem e para que o Estado continue bancando a farra da esquerda.

Como uma indicação estrita dos militares, o almirante monoglota que aspira a chefia da Apex parece estar disposto a “pôr ordem na casa” e prontamente restabelecer os contratos para programas com os mesmos grupos que trabalharam por décadas para o Partido dos Trabalhadores e ecoaram pelo país toda a agenda cultural da esquerda às custas do dinheiro público. Como a liberdade de consciência é o que nos distingue dos animais irracionais, não há qualquer certeza do que fará o almirante no comando da Apex, mesmo que a patente militar tenha sido o único critério aparente para a sua nomeação.

Para implementar a agenda do alto escalão militar, porém, ele precisará passar por cima das indicações feitas pelo chanceler Ernesto Araújo, uma das maiores pedras de tropeço à continuidade da hegemonia cultural da esquerda no país. A situação é muito clara para todos: você pode ser ministro, mas se não marchar direito será enquadrado pelo quartel de milícias empoderadas. Nenhuma indicação de ministros fiéis à agenda cultural de Bolsonaro têm chances de prosperar enquanto os guardas do castelo mantiverem sua insurgência silenciosa.

Ao que tudo indica, o general Santos Cruz comanda uma verdadeira insurgência, cujo campo de batalha é a estrutura dos ministérios e agências, com o fim do controle completo e da “tutela militar”.

Durante as eleições, o “ex”-espião da inteligência cubana José Dirceu disse em entrevista que havia o risco de Bolsonaro “se enquadrar”, isto é, “prestar continência aos generais, esquecer que é presidente”. Essa situação que nos pareceu à época pouco verossímil nos faz estremecer ao lembrar do constrangimento vivido pelo presidente que foi por anos rejeitado pela classe militar e agora encontra-se rodeado por verde-olivas de patente superior.

 

Inscreva-se em nossa Newsletter e receba novidades por e-mail.