Alunos de escola primária escutam contos transgêneros nos EUA

3
Washington Update

“Eu tenho um cérebro de menina, mas um corpo de menino”, a professora McBride leu aos alunos em sala de aula. O caso aconteceu em uma escola do estado da Virgínia, nos Estados Unidos, noticiou o The Daily Signal.

Ainda segundo o Daily Signal, duas organizações de extrema-esquerda têm contribuído para que cenas como essa se repitam ao redor dos EUA: a Associação Nacional de Educação e a Campanha de Direitos Humanos.

No começo deste mês, lá foi celebrado o Dia Nacional da Leitura, e pela primeira vez os maiores patrocinadores do evento foram grupos LGBT que incentivam materiais com o conteúdo dessa pauta em escolas.

A Associação Nacional de Educação tem sido um braço do Partido Democrata (o partido de esquerda americano), e a união dela com a Campanha de Direitos Humanos é um somatório de forças que visa reverter as políticas conservadoras da administração Trump, tais como a proibição de banheiros transgênero – que eram incentivados durante o governo de Obama – e a não aceitação de transgêneros nas forças armadas.

A presidente da Associação Nacional de Educação, Lily Garcia, criticou o governo Trump em relação às pautas LGBT, dizendo que “a administração Trump tem sido abertamente hostil…”  E acrescentou: “se você é ou não um soldado transgênero ou transexual menino ou menina. É importante mais do que nunca que tenhamos voz.”

Com o avanço do ativismo LGBT nas escolas americanas, a alternativa do homeschooling (ensino em casa) cresce vertiginosamente. “Com o radicalismo sexual em todo canto – incluindo com alunos da primeira série – e agora com essa desculpa perigosa para ‘contar histórias em sala de aula’, não é de admirar que a educação escolar em casa, nos EUA, esteja no meio de sua maior onda em 20 anos.”

Apesar de empurrar à força a ideologia de gênero nas escolas, muitos pediatras que estão fora do lobby esquerdista contestam os apoiadores dessa ideologia segundo a qual todos nascem sem gênero sexual definido.

Em 2017, uma associação de pediatras americanos (American College of Pediatricians) condenou formalmente a inserção da ideologia de gênero no ambiente infantil. O documento, cujo título é Ideologia de Gênero Prejudica Crianças, alerta para que “profissionais de saúde, educadores e legisladores rejeitem todas as políticas que condicionam as crianças a aceitar como uma vida normal a personificação química e cirúrgica de mudança de sexo. Fatos – não ideologia – determinam a realidade (grifo nosso).”

3
Deixe um comentário

avatar
3 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
2 Comment authors
Cotas nas universidades, extremismo crente, peçonhalogia e CPI da impUNE | Almanakut BrasilAlmanakut Brasilalberto costa Recent comment authors
  Subscribe  
Notify of
alberto costa
Visitante
alberto costa

pra que isso,basta falar pras crianças respeitarem pessoas de sexo diferente

Almanakut Brasil
Visitante
Almanakut Brasil

Universidades criam cotas para travestis, transexuais e transgêneros no Brasil – (Gospel Mais – 20/03/2019)

Apesar da inconstitucionalidade, várias universidades brasileiras já adotaram cotas para “trans” no último ano, justificando a iniciativa como reparo aos “preconceitos” vivenciados por esse público. Entre elas estão a Universidade Federal do Grande ABC (UFABC), a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), a Universidade do Estado da Bahia (UNEB), a Universidade Federal da Bahia (UFBA), a Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB) e a Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul (UEMS).

https://noticias.gospelmais.com.br/universidades-cotas-travestis-transexuais-109689.html